Karen Reis

SOM NA CAIXA – TEM POLÊMICA NO AR

31 jul, 2023
  1. Home
  2. /
  3. Colunas
  4. /
  5. Som na caixa
  6. /
  7. SOM NA CAIXA –...
Publicidade

Texto por: André Werneck

No dia 21 de julho, começou o Tomorrowland 2023, na Bélgica! E logo no segundo dia, o super DJ James Hype passou por um problema no meio da sua apresentação no palco principal do maior festival de música eletrônica do mundo. James Hype é conhecido por suas performances alucinantes e cheias de energia. No meio do set, aconteceu um problema com um dos aparelhos e ele pegou o microfone para reclamar e xingar. O som parou e o público vaiou antes de trocarem o aparelho e a apresentação continuar. Confira no vídeo abaixo:

Antes de entrar na polêmica, eu conversei com alguns DJs que dominam muito a tecnologia desses novos aparelhos. A explicação é simples. O James Hype talvez seja o único DJ que realmente usa 4 CDJs ao mesmo tempo. Ele é conhecido por levar os equipamentos ao limite. Já quebrou uns 9 knobs de mixers (botões que controlam tudo no aparelho) ao vivo e ainda faz conteúdo disso. Por isso é importante ter pelo menos um CDJ de backup, para evitar surpresas.

No dia seguinte eu fiz um post no meu Instagram com as imagens do James Hype no momento que o som apresenta problemas e no final do vídeo eu deixei uma mensagem: “o DJ do seu casamento tem equipamento próprio ou é terceirizado? Pense nisso, sua festa pode acabar como a apresentação dele!”. E aí começou a polêmica! O post bateu recorde de engajamento e eu li coisas realmente inacreditáveis! Dois DJs mais exaltados precisaram ser bloqueados e alguns disseram até que o contratante não aceita pagar por isso. Será que ele precisa pagar por isso ou é obrigação do profissional? Não é possível esperar que todos tenham a mesma realidade, mas é possível esperar que todos tenham a mesma civilidade na hora de deixar a sua opinião.

Durante meus muitos anos de carreira, eu posso dizer que já passei por algumas situações muito difíceis. Em duas delas, fui obrigado por contrato dos noivos com a casa de festas a usar o “equipamento de ponta”, com estava redigido no contrato.

A primeira situação muito constrangedora aconteceu no Rio de Janeiro. A festa estava linda! A cerimônia foi perfeita, o coquetel estava no time (tempo) certo, mas quando o cerimonial deu o sinal para preparar a música da entrada dos noivos, o som parou. E nessas horas não existe contrato, não tem explicação que resista à fúria do pai da noiva. Ele não respeitou ninguém! Gritou comigo na frente dos convidados, cerimonial, técnico de som da casa, com todo mundo! O equipamento “de ponta” era péssimo e não tinha backup de nada. A solução foi usar as caixas de som da cerimônia, sem potência para fazer a pista de dança bombar. Posso dizer pra vocês que passei alguns anos sem fazer novos eventos no local. Um dia trocaram todos os equipamentos e também o técnico da casa. Aí eu voltei a fazer.

A segunda situação aconteceu em Niterói e a casa também obrigava o DJ a usar o equipamento da casa. Diante da situação, eu aproveitei a reunião final para alinhar o cronograma e tentar reverter a cláusula do contrato, inclusive citando o problema ocorrido. O responsável pelo som da casa sorriu e garantiu que os equipamentos eram mais do que excelentes, a dona da festa concordou e o cerimonial deu a palavra final. Tentei, sem sucesso. A pista estava bombando muito! George Israel estava no meio dos convidados com seu Live Sax maravilhoso! De repente, o som parou. O sax é um instrumento de sopro e ele continuou na pista por mais duas músicas. Mas o cerimonial veio em cima de mim. O técnico da casa, calado, do meu lado, não conseguia fazer a música voltar. George Israel também veio reclamar muito comigo, depois foi a vez da dona da festa. Resultado, fim de festa!

Uma outra situação terrível aconteceu em Blumenau, SC. Era uma festa de casamento espetacular na cidade e eu achei muito estranho quando vi a qualidade dos equipamentos do DJ. Meu contrato padrão tem o rider necessário, mas quem contrata a empresa é o produtor local. No meio da festa um CDJ parou. Como eu sempre peço um aparelho de backup, o técnico correu e ligou o terceiro CDJ. Mas ele não testou a voltagem e quando ligou na tomada o aparelho queimou na hora. A solução foi usar um aparelho de DVD caseiro que havia no local. O mixer também deu problema mas consegui contornar. Ainda tive que ouvir do dono da empresa: “mostra que é bom!”. Ao final de 13 horas de festa, eu chamei o produtor e o dono da empresa e falei: “aprendeu? Espero que sim porque você nunca mais vai trabalhar com ele ou comigo!”. Isso inclusive faz parte da minha proposta de trabalho em Santa Catarina desde então.

Muitas vezes a “culpa” nem é da empresa local porque o equipamento é locado para vários DJs e muitos adoram beber ou não tem o menor cuidado porque não é deles. Não foram poucas as vezes que o equipamento quebrou no meio da festa, com bebida derramada ou falta de carinho no uso.

O DJ Marcos Mamede me mandou uma mensagem quando viu meu post no Instagram: “Uma vez aconteceu isso comigo em uma festa de empresa. Fui a uma reunião no local junto com o cerimonial. A festa foi no falecido Scala. No dia, colocaram 2 Discmans portáteis da Sony. Estava em cima de um tablado que trepidava. Um desastre completo. Por sorte eu levei meu kit com CDJs e mixer. Salvou a festa e quando fui cobrar uma compensação, nada recebi.”

Durante a Pandemia, vários DJs investiram em controladoras para fazer Lives ou trabalhar em lugares menores. Era a realidade do momento. Nunca me esqueço do DJ que usou um banco de bar para apoiar sua controladora.

Mas, afinal de contas, o que é CDJ e o que é controladora?

Um Compact Disc Jockey, ou CDJ, é um aparelho tipo CD Player que é um tocador de música armazenadas em pendrives, HD externos e alguns nem tem mais entrada para CDs. A Pioneer virou a marca #1 e referência para os DJs.

As controladoras são aparelhos multi players que surgiram com a finalidade de controlar o software a partir de um computador com os arquivos de músicas. Aos poucos a coisa evoluiu muito rápido e a controladora virou um 3 em 1, unindo os 2 decks e 1 mixer no mesmo aparelho e esses aparelhos passaram a não depender mais do computador. A Pioneer desenvolveu aparelhos espetaculares, com recursos incríveis e vários DJs e casas noturnas começaram a migrar para as controladoras. Enquanto 1 mixer de ponta custa mais de R$20 mil reais e cada CDJ de ponta custa mais de R$25 mil reais, totalizando algo com um investimento inicial de R$70 mil reais. Podemos incluir aí o terceiro CDJ e a conta chega em mais de R$90 mil reais.

O último lançamento da Pioneer, a controladora Opus Quad é chamada de All-in-One e custa em torno de R$30 mil reais. Esse é o topo do mercado. Desse valor para baixo, os DJs tem muitas opções no mercado das marcas Pioneer, Denon e Numark.

Além de serem aparelhos mais compactos, o fator preço também ajudou muito na explosão das controladoras. Mas, e as desvantagens? Vamos votar um pouquinho no texto e lembrar que diversas vezes eu precisei trocar alguns aparelhos durante as festas. Parou um CDJ, coloca outro e a festa segue. Parou o mixer, a festa para durante alguns segundos mas logo volta. Quando uma controladora para, são 3 aparelhos que param juntos de uma vez. O DJ do seu casamento usa controladora? Esta é a primeira grande questão para você se preocupar.

Outro dia eu me apresentei em uma casa noturna e o dono do local me avisou todo feliz que havia comprado uma controladora. Como uma casa noturna pode ter um aparelho controlando tudo? Por que será que todos os Clubs no exterior usam sempre 3 CDJs e 1 mixer? Será que a resposta é tão difícil assim?

Na controladora, todas as conexões são internas. Ou o aparelho funciona ou não funciona. Se o profissional conhece o equipamento e prepara corretamente pendrives e HDs a chance de dar problema é mínima. Mas eu tenho amigos DJs que foram fazer a festa de casamento só com a controladora e… a festa acabou no meio.

Sempre que possível, eu trabalho com minha tela de touch screen e ela exige um sistema forte de backup. Quando algo acontece, eu mudo tudo e ninguém percebe. A música não pode parar!

Além disso, eu sempre tenho mixer e CDJ de backup e as caixas tem potência suficientes para empurrar uma festa. Exatamente como uma turbina de avião. Os problemas sempre podem acontecer, inclusive falha de luz. Exatamente por isso, as grandes festas de casamento costumam ter dois geradores, para evitar falhas e levar uma energia limpa para os equipamentos. Vivemos num mundo com plano de saúde, seguro de vida, seguro do carro, garantia estendida de aparelhos, etc tudo para evitar surpresas. Com a sua festa de casamento tem que ser igual. A festa de casamento é um evento único que nunca mais se repetirá. Lembrem-se disso na hora de contratar o DJ da sua festa. Muitos cerimoniais e produtores não se preocupam com um assunto tão importante. O pensamento costuma ser “nunca parou”, mas uma hora pode parar e aí… a festa acaba e os sonhos vão juntos.

Publicidade
Publicidade
Karen Reis

Karen Reis

Karen é jornalista, pós-graduada em Jornalismo Digital e Comunicação e Marketing. Escreve matérias para a Inesquecível Casamento. Contém ampla experiência em produção de textos para web e impresso.
fornecedor-inesquecivel

Encontre o fornecedor perfeito para o seu casamento

Publicidade
banners_640x640-02
Publicidade

Mais Lidas