Está com o pé no altar e não sabe por onde começar? Então seu lugar é aqui: conhecendo tudo a respeito de um casamento judaico. Vem!

Você vai ter um casamento judaico e precisa esclarecer alguns pontos de dúvidas e/ou encontrar inspirações para esse momento especial?

Então seu lugar é aqui!

Antes de tudo, entretanto, é preciso esclarecer que o casamento, ou chatuna (חתונה), é um ato sagrado para a religião. Assim, cada mínimo detalhe é importante para a realização da cerimônia. Por outro lado, visto sob o aspecto prático de um “contrato entre um homem e uma mulher para a formação de uma nova família”, ele também tem alto valor espiritual, de união de almas.

Além disso, do noivado até o dia do casamento, o que mais diferencia o casamento judeu dos cristãos é a forma como eles dão significado a cada etapa. Desde as vestimentas até os rituais sagrados antes, durante e depois a cerimônia. Todo detalhe importa – e por isso precisamos falar sobre cada um deles.

✡︎ ANTES DO CASAMENTO JUDAICO

JUDEU + JUDIA = ♥

Você sabia que um casamento judeu é realizado exclusivamente entre noivos judeus, de preferência nascidos judeus?

Mas existe a possibilidade de conversão, desde que a vontade de se tornar judeu seja genuína e não apenas para cumprir as regras do casamento.

Então, para que a conversão aconteça, a pessoa precisa passar pela Giyur, dividida em três etapas: circuncisão (para homens); micvê e aceitação de todos os 613 preceitos.

O DOCUMENTO DAS CONDIÇÕES

Acertada a conversão, tudo começa na assinatura do Shtar Tena´m, um “documento das condições”, ou contrato de noivado, que os noivos e seus pais se comprometem a concretizar aquela união. Inclusive vale dizer, aqui, que a cultura judaica tradicional propõe uma cerimônia à parte para essa assinatura, quando as mães dos noivos quebram um prato de porcelana cada, como forma de aceitação das cláusulas.

E embora muitas vezes possa parecer que existe um foco maior em bens e heranças, a gente deixa claro aqui que o principal foco de um casório dentro do judaísmo é a união espiritual entre um homem e uma mulher. Afinal, os judeus só se consideram completos após o casamento e diante da formação de uma nova família.

O RITUAL DO URUF

Esse é um momento muito importante para o noivo, pois é quando ele vai até sua sinagoga para contar para sua congregação a respeito da proximidade do casamento.

Em oração, pede forças e bênçãos para ter um bom casamento, que as famílias fiquem unidas e, entre os mais religiosos, o noivo recebe um banho de doces pelos membros mais jovens.

OS TRAJES DO CASAMENTO

Um dos pontos altos de um casamento é o vestido de noiva. Ele deve ser todo branco, sem espaço para nuances mais modernas, como tons em prata, off-white ou marfim, já que a cor representa a pureza da noiva diante da nova vida que se inicia e do perdão divino que está recebendo.

Além disso, o ideal é não ter decote ou ser tomara que caia, dando prioridade para as mangas longas. Em seguida, a noiva entra no local onde será realizada a cerimônia, com o rosto descoberto pelo véu, mas logo é coberto pelo noivo antes de entrar no chupá.

Curiosidade: a presença do véu para cobrir o rosto da noiva indica que a beleza exterior não é fundamental para a solidificação do casamento, mas sim a interior, que permanece ao longo dos anos. 

O noivo, por sua vez, utiliza um taliti branco, que é semelhante a uma mortalha, por cima de seu terno numa demonstração que todos são iguais diante de Deus. Além disso, todos os homens presentes na cerimônia, judeus ou não, devem usar o kipá – um pequeno chapéu em forma de circunferência – em suas cabeças. Esse item representa a presença de Deus acima do homem, acompanhando e observando todos os atos, além de reforçar a sua crença.

O RITUAL DO MICVÊ

Já que o casamento significa que duas pessoas estão unidas por corpo e alma, o micvê é um banho que os noivos devem fazer separados para purificá-los.

✡︎ A CERIMÔNIA DE CASAMENTO JUDAICO

O DIA DO CASAMENTO JUDAICO

O Yom Kipur é o dia do perdão.  Segundo a tradição, no dia do matrimônio, Deus perdoa os pecados de cada um para que possam começar uma nova vida em conjunto.

Só que para isso, é necessário se preparar para a purificação. E ela acontece através de alguns rituais, como, por exemplo, que o casal não se veja durante, jejum no dia do casamento e troca de presentes entre eles.

O RITUAL DO KETUBÁ

O contrato de casamento, também conhecido como Ketubá, define as responsabilidades do esposo com a esposa, como direitos conjugais, manutenção e provisão da casa. É importante para enxergar não só como a união física e espiritual, mas também um compromisso que deve ser cumprido por ambas as partes para funcionar.

O RITUAL DO CABALAT PANIM

Os noivos são recebidos, separados e primeiramente, por amigos e familiares em uma cerimônia que é considerada o início do casamento – o Calabat Panim.

No judaísmo acreditam que em certas ocasiões, Deus podem escutar melhor as preces. E o casamento é esse momento para os noivos.

O CHUPÁ

De antemão, te dizemos que os casamentos judaicos não precisam ser realizados em uma sinagoga, já que não é necessário um líder religioso conduzi-lo. E sim apenas alguém muito próximo ou um familiar mais velho e sábio.

Em contrapartida, é fundamental que o chupá, uma tenda em quatro partes, com todos os lados abertos, onde o casamento é realizado, esteja presente.

E se você acha que ele é apenas uma parte decorativa do evento, deixa a gente te explicar! O chupá significa, na realidade, a existência do passado, presente e futuro, que ajudam a formar o novo lar que está se construído.

Os noivos, familiares, amigos mais próximos e o realizador, que é quem os abençoará, ficam dentro da chupá. Não é costume ter padrinhos e madrinhas, pois as testemunhas são os familiares do noivo.

A ENTRADA DOS NOIVOS

Assim como nos casamentos cristãos, o noivo entra antes da noiva, mas acompanhado pelos seus pais. O motivo é que todo casamento judaico só acontece se a noiva consentir que ele seja realizado, fazendo com que o noivo a aguarde para dar início a cerimônia. A entrada da noiva também é triunfal, sempre acompanhada pelos pais, e não somente pelo pai como são os outros casamentos.

O RITUAL DAS SETE VOLTAS

Logo depois da entrada, no início da cerimônia, a noiva e seus pais dão sete voltas em torno do noivo. O ritual se refere aos sete dias de criação do mundo por Deus, como se ela estivesse construindo os pilares da nova família. Entretanto, também representa a queda da muralha de Jericó para quebrar qualquer barreira que possa aparecer para o casal. A atitude indica que a noiva estará ao lado do futuro marido em todas as situações que possam surgir.

Analogamente, também são as bênçãos recitadas na cerimônia. Elas falam sobre:

  • a criação do mundo, do ser humano e do povo de Israel
  • a sobrevivência dos judeus
  • a importância do casamento
  • a criação da nova família

O RITUAL DA QUEBRA DE COPOS

A quebra de copos indica que existem momentos felizes e tristes em um casamento, mas que serão superados com a ajuda um do outro, dos amigos e parentes. Como o vidro representa a reconstrução, naquele momento todos ficam em silêncio absoluto, respeitando o momento do casal, para em seguida entoarem “boa sorte” ao final.

O RITUAL DO VINHO

O vinho é uma bebida importante na tradição judaica: é símbolo da alegria, festividades tradicionais e também da reza de santificação do Shabat. Durante a cerimônia, então, os noivos sempre tomam a bebida na mesma taça para simbolizar a partilha total da sua vida.

O RITUAL DO TALIT

Outro item que faz parte da cerimônia judaica é o Talit: o manto de oração usado pelos homens para simbolizar que todos são iguais perante Deus.

O RITUAL DA ENTREGA DAS ALIANÇAS

O momento mais importante da cerimônia de casamento judeu é a entrega das alianças. Colocada na mão mais forte da noiva, seja direita ou esquerda, inicia no dedo indicador para as testemunhas confirmarem o compromisso selado no momento. Em seguida, os noivos retiram do indicador e colocam a aliança no dedo anular esquerdo, sob as palavras do noivo em hebraico que confirmam a consagração pelas leis de Moisés e Israel.

Fica a dica: as alianças de um casamento judaico não permitem designs ousados e inclusão de detalhes como pedras e outros metais. A tradição indica que elas devem ser feitas em ouro, com estrutura forte, mas simples e lisas, indicando um círculo inquebrável da união, estável, perfeito e protetor.

✡︎ A FESTA DE CASAMENTO JUDAICO

Elas são animadas, com muitas bençãos, danças, simbolismos e o famoso levantar de cadeiras. Entretanto, assim como na cerimônia, existem algumas exigências para a realização da festa, como é o caso do menu.

A comida Kosher é a servida, pois segue requisitos como:

  • Nada de carne de porco, frutos do mar (exceto peixe com escamas),
  • Nada de coelho, cavalo e camelo, devido a versículos e capítulos na Torá.

Além disso, não podem misturar leite (ou derivados) com carne e para que isso não aconteça, todos os talheres são esterilizados e lacrados. Inclusive na preparação é necessária a supervisão rabínica. Ela acende o fogo (deve ser feito por um homem), fiscaliza e orientar a manipulação, produção e distribuição dos alimentos.

Assim, o casamento judaico se realiza sob pilares relevantes de união, companheirismo, amizade, amor, respeito e manutenção das tradições. Além de demonstrar a fé e força de um povo que se mantém unido ao longo dos anos.

Mazal tov!

Curtiu essa matéria sobre casamento judaico? Aqui no site e nas nossas redes sociais têm muito mais dicas. Segue a gente!


CRÉDITOS

1. Nadia Szajubok | 2. Renata Xavier | 3. Lenine Serejo | 4. Monjardim Noleto | 5. Jour Beni | 6. Jour Beni | 7. Nadia Szajubok | 8. Nadia Szajubok | 9. Lenine Sereno | 10. Lenine Serejo | 11. Jour Beni | 12. Lenine Serejo | 13. Monjardim Noleto | 14. Monjarim Noleto | 15. Nadia Szajubok